segunda-feira, 11 de dezembro de 2017

A magia do Natal ✧

O Natal é uma festa repleta de magia, de sonhos e fantasias.... claro, que este encanto ganha outra amplitude quando é vivido através dos olhos de uma criança... há aquela inocência saudável de acreditar no homem das barbas brancas... aquele brilho no olhar quando o veem... 

No sábado, encontramos o Pai Natal no shopping... logo que o Gonçalo o avistou, largou a minha mão e desatou a correr até junto dele... parou, e ficou muito quieto a olhar para ele, com um sorriso rasgado, colocou devagarinho um dedo na perna do Pai Natal para confirmar se era real, se era mesmo ele... quando viu que, afinal, estava diante do tal Pai Natal, sentou-se no colo dele e ali ficou a admirá-lo...

É delicioso ver como eles conseguem ser felizes com tão pouco!
 ♡ ♡ ♡


quinta-feira, 7 de dezembro de 2017

A viúva tem nome!!

É algo que me causa alguma confusão, isso de tratar a esposa que perdeu o marido de "a viúva"... é um facto que o estado civil passa a ser este, mas daí a deixar de ter nome e passar a ser "a viúva" é coisa para me deixar a bater o pé...

Tenho lido imensas vezes, referirem-se à esposa do membro dos Xutos & Pontapés, Zé Pedro, como a viúva, mas porque carga de água a mulher deixou de ter nome? Ela chama-se Cristina Avides Moreira, e não é "a viúva"... isso é o estado civil dela, não o nome!!! No máximo, o correto seria escrever a viúva de Zé Pedro, Cristina Moreira...

Que me lembre, assim de repente, ninguém se refere a alguém como "a esposa"... "ah, é a esposa"... dizem "é a esposa de...", então porque razão passamos a ser "as viúvas"?

Não acham que já dói o suficiente termos perdido os nossos maridos, não sendo necessário relembrar a cada oportunidade que somos viúvas?

Infelizmente, ouve-se muito isso...  do género "ah é a viúva", "aquela que ficou viúva"... também já ouvi isso a meu respeito, e acreditem, não sabe nada bem!

Para quem tiver curiosidade, o artigo  é este {há muitos mais do género} que trata a Cristina A. Moreira como "a viúva".. ah, e se repararem, em momento algum do artigo, está referido o nome dela... tive de procurar como ela se chamava...  porque que eu saiba, ninguém se chama "a viúva"... enfim!

Este mundo anda carregado de pessoas insensíveis, é o que vos digo!

quarta-feira, 6 de dezembro de 2017

"Há uns que sofrem mais do que outros..." ❧

A propósito desta frase que ouvi, há dias, e que acho somente... absurda... Deixo um excerto de um texto que reflete aquilo que poderia ter sido eu a escrever, por ser tão aquilo que sinto:

Há os que mostram pouco, quase nada, e isso não quer dizer que também não amarguem uma perda aqui, uma separação ali, uma deceção acolá. E há os que escancaram o seu pesar com a honestidade de um altifalante. Há gente que grita a sua queixa mais alto do que o volume da sua dor. (...) E tem ainda aquela gente que sente tanto, mas tão fundo que nem tem força para sair para aí berrando o seu desespero. Então se fecha e chora baixinho até passar a dor. Cada um do seu jeito.Todo o mundo sofre!

Quanto engano. Dor nenhuma é pior que outra. Pessoais e intransferíveis, nossas dores podem ser consoladas, jamais comparadas ou transferidas. E a vida não é um concurso de sofrimentos. {Aqui}

♡♡♡

terça-feira, 5 de dezembro de 2017

Sinto falta... ღ

... de ser esposa... de ter o meu marido... de conversar com ele ao fim do dia... de passar a roupa dele a ferro... de preparar a marmita para mais um dia de trabalho... de o ver sentado em frente ao computador a fazer trocas de turnos para podermos estar mais dias juntos, os três... das mensagens com as compras para fazer ou sobre o que seria o jantar... sinto falta dessas banalidades do dia a dia, às quais não damos importância, mas que nos fazem uma falta danada quando não as temos...

Sinto falta de ouvir o rodar da chave na porta... de o ver espreitar para a sala... 

Sinto falta do cheiro... do toque... do sorriso... da voz.. do olhar... do beijo... 

Sinto falta de ter uma família tradicional... e de sentir-me protegida... amada... acarinhada...

Sinto tanta falta de ti


sexta-feira, 1 de dezembro de 2017

O nosso Natal ❆

A tradição mantém-se... e hoje, montamos a nossa árvore de Natal!

O Gonçalo estava super entusiasmado... achou imensa graça a pôr as bolas na árvore, que decidiu passar o dia nisso... tira e mete! Enfiou o gorro...e dizia: "É Natal!"

É sim, meu filho... apesar de tudo, é Natal, e farei de tudo para que o vivas de coração cheio!


quinta-feira, 30 de novembro de 2017

Hoje, de manhã, um dos meus meninos perguntou-me:

- Ó professora, tu tens pais?
- Claro que tenho. Tu também tens, não tens?
- Sim, tenho.

{Já sabia onde ele queria levar a conversa, por isso acrescentei}

- Todos temos um pai e uma mãe.
- O Gonçalo não tem pai!

Eu logo vi que a conversa iria chegar a este assunto.  Então, expliquei-lhe:

- Claro que o Gonçalo tem pai... só não está cá, mas ele tem pai, sim! 

Diz ele:
- Está no céu.
- Pois, está. Mas, não é por isso que ele deixa de ter pai.

Já não é a primeira vez que este menino diz isso. Talvez, ainda seja demasiado pequeno para entender isso de viver sem o pai.... talvez, não perceba porque razão ele tem o pai, e o meu filho não... sabe-se lá o que vai na cabeça das crianças... sei é que este assunto deve estar a fazer-lhe alguma confusão... por isso, procuro sempre explicar-lhe a partida do pai do Gonçalo com naturalidade, com ligeireza, porque penso que é fundamental abordarmos o tema da morte desmistificando aquela ideia de secretismo, como sendo um assunto a evitar falar...

Infelizmente, a morte faz parte da vida... e devemos falar dela com naturalidade... o Gonçalo ainda é pequeno para entender isso... ainda não entende o que se passou com o pai para ele já não estar em casa, ou não o ir buscar à escola, levá-lo ao parque, ou até mesmo esperar por nós à porta do prédio...

Apesar da sua tenra idade, procuro falar do pai TODOS OS DIAS... em casa, temos várias fotos em, praticamente, todas as divisões da casa... o Gonçalo sabe o nome do pai, sabe quem ele é, sabe que o pai "tem" uma ambulância do tinoni... sempre que vê uma diz "tinoni do pai"...e no fim da nossa prece, à noite, enviamos sempre um  beijo imaginário ao pai que está no tinoni do céu!

Tento que o Gonçalo faça da ausência do pai a sua presença... e que aprenda a lidar com isso de forma saudável... para que um dia, quando lhe disserem, o que aquele menino me disse, ele seja capaz de responder, sem mágoa e de coração puro e sereno, que "Sim, eu tenho pai, e ele chama-se Jorge."

♡♡♡

Aprendi a amar-te de longe*

Faz hoje 11 meses, desde que partiste... quase um ano, desde o dia do nosso último beijo... quase um ano a viver sem ti...

Há uma saudade constante no peito, um vazio impreenchível... a raiva inicial vai desaparecendo e a serenidade volta tímida, mas constante... 

Aprendi a amar-te de longe... e isso, deixa-me mais tranquila, porque o meu amor continua a crescer, mesmo sem te ter... e isso é tão nosso!

Amo-te, meu amor!